Futuro Administrador

Administração em geral


    Saúde: Síndrome de Burnout ataca o ambiente empresarial

    Compartilhe

    Saúde: Síndrome de Burnout ataca o ambiente empresarial

    Mensagem por Ricardo em Qua Set 01, 2010 3:13 pm

    Conhecida também como síndrome do esgotamento profissional atinge perfil de colaboradores com elevadas metas de desempenho e reconhecimento profissional

    O despertador toca, de alguma maneira ainda sonolento vem o pensamento de que algo está errado, não pode ser, ainda é muito cedo. As mãos descoordenadas pelo sono procuram o relógio. Constatam que já é hora de levantar, mais uma vez rumo a mesma rotina, tudo igual a tantos outros dias. Parece realmente que nada mudou.



    Mas algo definitivamente não está certo, o corpo reclama de cansaço, a angústia improcedente se alia a falta de ânimo e a uma indisposição persistente em encarar mais um dia de labuta. Algo foi perdido, ou seja, a maior virtude de um colaborador, a motivação.



    Bem-vindo a um clube que cresce diariamente e assustadoramente de tamanho, antes restrito e seleto para alguns poucos profissionais que laboravam no limite, como médicos, bombeiros e policiais, mas que atualmente invade diferentes ambientes corporativos, o clube da Síndrome de Burnout.



    A síndrome de Burnout (do inglês to burn out, queimar por completo), também chamada de síndrome do esgotamento profissional está relacionada no ambiente corporativo, ao perfil das pessoas workaholics e ou aquelas com elevadas metas de desempenho e reconhecimento profissional.



    No início os sintomas são leves e podem ser confundidos com milhares de outras doenças, cansaço excessivo, fadiga incessante, desconfortos, dor de cabeça, pálpebras pesadas e um leve desânimo marcam o compasso no desenvolvimento desse distúrbio.



    Como nem sempre os sintomas levam as verdadeiras causas, a Síndrome de Burnout costuma progredir silenciosamente entre os colaboradores das organizações, nos mais diversos escalões, com especial atenção, aos altos cargos de gestão. O esgotamento físico e mental levam enfim, essas pessoas a um quadro depressivo e a comportamentos agressivos e irritadiços para com seus pares e até familiares, construindo inconcientemente relações nocivas e improdutivas no ambiente de trabalho e agressivas e egoístas nas relações familiares.



    Em tempos de muita retórica a cerca da qualidade de vida dos empregados, muito pouco tem se feito efetivamente para melhorar as características do ambiente de trabalho. E a dura realidade competitiva das empresas continua sendo a de produzir para seus funcionários, metas cada vez mais agressivas, redução no quadro de colaboradores, conseqüente incorporação de funções, diminuição da faixa etária dos colaboradores e aumento de responsabilidades, tudo em benefício da continuidade e incessante multiplicação das margens, dos lucros e da rentabilidade.



    Nada contra a China, mas outro dia liguei para um CEO, para cumprimentá-lo de seu aniversário, do outro lado reconheci a voz de um amigo agradecido pela ligação, mas triste por estar passando o dia de seu aniversário no aeroporto Xi'an Xianyang, esperando conexão para Varsóvia ou algo assim. Sua desilusão em ter que ininterruptamente estar à disposição da empresa ao redor do globo e em contrapartida ser figura cada vez mais rara na vida e no crescimento dos filhos era evidente e seu desempenho começava a oscilar, nos últimos tempos, tanto quanto seu humor e seu ressentimento pela situação.



    O capital humano e o intelecto que este carrega é o ativo mais importante das organizações. Como realmente preservar essa riqueza, sem exaurir sua fonte produtiva?



    As mudanças passam por profundas transformações e ações de ruptura na cultura corporativa de muitas empresas e na ação pessoal, através de uma ambição mais medida e metas menos agressivas.



    O acúmulo de poder, exposição e fortuna de nada valem se não tivermos ao menos alguns momentos de liberdade em nossas ações e de um convívio harmonioso com nossos amigos e familiares. A riqueza e o sucesso profissional só fazem sentido quando alinhados com o equilíbrio entre o ter e o ser. Vivemos em suposta democracia, mas continuamos escravos dos nossos próprios erros. Abaixo a ditadura do tudo a qualquer preço!



    Sérgio Nardi - palestrante, escritor, especialista em gestão empresarial e autor dos livros "A Nova Era do Consumo de Baixa Renda", "Marketing para o Varejo de Baixa Renda" e "Viva Melhor".

    Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/administracao-e-negocios/saude-sindrome-de-burnout-ataca-o-ambiente-empresarial/37457/


    _________________
    Ricardo Avelino
    Administrador do Fórum

      Data/hora atual: Qui Dez 14, 2017 1:57 pm